Crônica: Precisamos Parar o Brasil

Ontem resolvi fazer história a fim de entrar na história. Resolvi honrar meus ídolos que há tanto tempos bradaram “ que pais é este”, “ideologia quero uma para viver”, “ brasil mostra a tua cara”, “ viva a sociedade alternativa. Pena que a gente demorou para virar patriota, honrar a bandeira e não dar a nossa cara a tapa.
Acredito que faz pouco tempo que o Brasil acordou para pedir o básico. Que país mais doido em que milhões devem ir as ruas para pedir o que parece ser quase inacreditável que nós não temos. Pedimos respeito, menos insanidade, pedimos paz e com certeza pedimos por um futuro melhor. Tínhamos tudo para sermos uma das melhores economias do mundo, temos vastos recursos naturais, culturais e históricos, mas parece que nada disso é nos dado e sim é tirado. Resolvi fazer história, por a minha cara para fora e sair do sofá para que um dia possa criar os meus filhos neste país. Já que do jeito que está me dá medo de pensar se realmente as gerações futuras terão condições de viverem por aqui. Com certeza, ensinarei os meus filhos a pedirem pelos seus direitos, a irem às ruas, cantarem o hino nacional de hora porque sempre tive orgulho de ser brasileira.
Durante diversos momentos enquanto estava sendo engolida por uma multidão de verde amarelo que bradava a plenos pulmões os hinos da nossa nação. Senti um orgulho enorme, fui tomada de um amor incondicional e com certeza a minha alma se encheu de esperança. Mas se a gente quer de verdade uma mudança significativa temos que fazer uma limpa geral. Investigar de cabo a rabo, todos os envolvidos, todos os partidos e todos que por algum motivo saíram ilesos até hoje. Acredito mesmo que protestos, infelizmente não serão suficientes para mobilizar a parte acéfala da nossa presidência e a cegueira e a alienação absurda que toma conta de todo o senado. Temos mesmo é parar o Brasil, estabelecer um dia em que ninguém saia de casa. Temos que provocar uma crise no consumo, diminuir o nosso consumo, temos que provocar a quebra da economia a fim de que ele possam nos enxergar. Se não for desta forma, tem muita gente indignada querendo ser escutada, desta forma, não nos restará alternativa do que a violência. Ainda defendo a cultura da paz, ainda acho que temos uma forma mais pacifica de resolver, mas acredito que agora que todos nós acordamos temos meios de parar esta nação. Aqui não se trata mais de quem votou em que, sim um descontentamento geral de um povo que sofre há tanto tempo com esta ditatura disfarça e este fascismo inflamado em todos os lugares.
Nós não estamos indignados porque não podemos andar de noite nas ruas. Não estamos indignados por termos que enterrar os nossos filhos cada vez mais cedo. Não estamos indignados com os juros altos, a subida do dólar, a água escassa e o rombo na conta de luz. Não estamos indignados pelo preço do combustível. Não estamos indignados com a corrupção, aumento da impunidade e o desvio do dinheiro publicam. Não estamos indignados com os impostos, nem com a conta do supermercado e muito menos quanto se paga para tentar ter um plano de saúde que funcione. Não estamos indignados com a precariedade das estradas, a falta de calçadas, os buracos cada vez maiores nas ruas e nem com a distorção de informações nas mídias. Não estamos indignados com a falta de resposta, o atraso para solucionar e o obvio e muito menos por estarem nos fazendo de palhaços. Não estamos indignados com a falta de preparo de quem está no poder, nem com a falta de pronunciamento da presidenta e nem com a indiferença com que são trata-os os nossos idosos.
Mas parece que para vocês que estão aí sentados em suas cadeiras confortáveis, sorrindo para as câmeras com este sorriso mecânico. Para vocês não há crise, nem aumentos, nem aumento das tarifas e do dólar. Para vocês tudo isso é uma questão de ter paciência e não fazer alarde. Para mim, para você, agora chega, vamos parar o Brasil, vamos estabelecer um dia sem sair de casa. Vamos parar de consumir, vamos nos unir e vamos ir às ruas quantas vezes for necessário. Quem irá nos calar?



Nenhum comentário:

Postar um comentário