Leitura do Mês de Setembro: À Procura de Audrey, Sophie Kinsella

À Procura de Audrey- Sophie Kinsella

Amo Sophie Kinsella É uma das minhas escritoras prediletas e ainda não tinha lido nada da sua literatura no universo adolescente.  Mas como sempre foi uma leitura fantástica, daquelas que se devora em poucos dias e fica um gostinho de quero mais.

Audrey é uma menina de 14 anos com uma adolescência nada comum para quem não tenha sofrido bullying . Assim a a protagonista quem passa por estas experiência fica com traumas, cicatrizes, ou seja, ninguém saí imune. Mas com o tempo as coisas vão aos poucos se ajeitando, mas a história narra as consequências dolorosas de quem passa por este tipo de situação.

Além disso,ela fica reclusa em casa, acaba por abandonar a  escola por ter perdido muitas aulas e passa a evitar o mundo. Usa um óculos de sol até mesmo dentro de casa, só os retira quando está e, companhia de seu irmão de quatro anos. Um dos únicos motivos que a fazem sair de casa são as consultas com a Drs Sarah e aí vem a minha primeira ressalva de palmas para o livro. A forma fiél,  verdadeira e importante de que o processo de terapia traz para momentos de crise como os que Audrey passa.

A vida familiar passa a se agitar quando a mãe de Audrey que é viciada no jornal Daily Mail ,lê que  jogos de computador podem ser  nocivos além de tóxicos. Assim o futuro do jogador Frank, irmão de Audrey está ameaçado quando seu laptop é jogado do jardim. Mas  Linus o seu amigo passa a frequentar a casa já que o castigo é o irmão não pode jogar, mas pode assistir alguém jogando.   Esta visita inesperada começa a despertar curiosidade e desejo  em nossa protagonista.

Cada personagem construído por Sophie Kinsella ganha o coração do leitor.  A mãe que largou o emprego e seus sonhos para se dedicar a filha. O pai um tanto avoado , mas sensível e presente. O fofo irmão mais novo que tem um papel importante de se tornar pombo correio dos bilhetes trocados por Linus e Audrey. O irmão viciado em jogos, Frank. E claro o nosso importante Linus e a Dra. Sarah que tem papel terapêuticos na vida da personagem principal. Cada um deles tem este papel, assim como podemos sentir através das páginas a superação, os desafios que  Audrey mobiliza em cada um deles. Quando há um membro em crise na família, acaba  afetando todos os outros e se há amor envolvido, as crises aos poucos se diluem e se transforam em coragem e aprendizado.

O leitor fica esperando pelo desfecho da história de Linus e Audrey. Assim como o processo de recuperação dela. Me senti participando da família, da história como se estivesse espiando pela fechadura.

Sophie Kinsella trata questão sérias e de extrema importância- como a depressão, crises de pânico e ansiedade, bullying e as marcas deixadas- tudo de forma leve, doce, sensível e nem por isso deixa de ser real e eficiente.  Mesmo que não tenha passado por essas situações e para mim que já passou por altos e baixos como estes, fica muito fácil se identificar e se sentir participante da história. 

Super recomendo a leitura e o que mais gostei é que ela preserva os acontecimentos que levaram  protagonista a entrar em crise.  Já que acredito que muito mais do que relatar o sofrimento é poder trabalhar as suas consequências focando no que virá adiante e não se prender ao passado. 



Meus livros preferidos de Sophie Kinsella em ordem de adoração

Menina de Vinte
Fiquei com seu número
O Segredo de Emma Corrigan
Lembra de mim?
Samantha Sweet, executiva do lar
A Lua de Mel

Ps: Amo a série  Becky Bloom !!! 


 


Um comentário:

  1. Gostei. Não é o tipo de leitura que costumo ler, mas fiquei curioso.

    ResponderExcluir